sábado, 18 de fevereiro de 2017

Nova Copa do Nordeste deve enfraquecer estaduais e diminuir poder das federações

A decisão da Liga do Nordeste em diminuir o número de times na fase de grupos do Nordestão já em 2018, bem como mudar os critérios de classificação para a competição no ano seguinte, trará mudanças sensíveis nas relações entre clubes e federações da região. As alterações no torneio fortalecem ainda mais as grandes equipes, mas deixam outros interessados no torneio em situação de alerta.
A partir de 2019, apenas nove dos 16 participantes serão indicados pelos estaduais. Os outros sete serão conhecidos pelo ranking da CBF: um da Bahia, um de Pernambuco, um do Ceará e outros quatro que sairão de um mata-mata formado por oito clubes. Com isso, é praticamente impossível equipes como Bahia, Vitória, Sport, Náutico, Santa Cruz, Ceará e Fortaleza ficarem de fora da Copa do Nordeste. Em Pernambuco, por exemplo, um clube do interior só participará da competição regional se for campeão estadual - algo que nunca aconteceu. Foi uma espécie de "mecanismo de proteção" encontrado pelos clubes mais tradicionais da região para fortalecer o nível técnico do Nordestão e, consequentemente, mantê-los em praticamente todas as edições do torneio.
A mudança afeta diretamente os estaduais, já que os principais clubes podem abrir mão da disputa de competições que dão prejuízo todo ano, e os times menores terão poucas pretensões dentro do torneio, limitando-se "apenas" a Copa do Brasil e Série D do Campeonato Brasileiro. O principal argumento do Bahia, um dos clubes que são favoráveis às alterações, é de que o Campeonato Baiano é importante apenas para chegar à Copa do Nordeste. Não será mais. Mesmo que os estaduais comecem em datas diferentes do Nordestão, não terão mais o mesmo peso que atualmente possuem - e abrem espaço para que o times mais fortes entrem em campo com equipes reservas ou sub-20.
Os laços com as federações, por consequência, se desatarão. O poder das entidades que comandam o futebol em seus estados diminuirá absurdamente, o que tornará o caminho livre para a independência da Liga do Nordeste.
A decisão é polêmica, pois reduz as chances dos times menores disputarem o Nordestão. No entanto, pode ser o ponto de partida de independência dos grandes clubes, que têm a chance de conduzir seus próprios rumos e, em longo prazo, transformar a competição num grande campeonato.
Curiosidade: Se os critérios de classificação que serão adotados a partir de 2019 já valessem para esta temporada, apenas CSA-AL, Altos-PI e Juazeirense-BA não disputariam a competição. Eles seriam substituídos por ASA-AL, Parnahyba-PI e Vitória da Conquista-BA, que possuem posições mais privilegiadas no ranking da CBF. Os outros 17 clubes seriam os mesmos, mostrando que há pouca rotatividade entre os participantes da Copa do Nordeste.

(Fonte: ESPN)

0 comentários:

CURTA!